sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PEÃO DA DAMA ISOLADO (15)

O PEÃO DAMA ISOLADO COMO DEBILIDADE NO MEIO JOGO E NO FINAL
A debilidade do Peão da Dama Isolado é mais clara sobretudo no final. O bando que luta contra ele deve tentar simplificar a posição por todos os meios e entrar no final favorável. Por isso tem que estar alerta ante as possibilidades de ataque, já mencionadas, que oferece o Peão da Dama Isolado(PDI). Sempre é bom tomar medidas preventivas contra o seu possível avanço. Como já vimos há numerosas possibilidades surpreendentes de rupturas que não se pode subestimar.
DEFESA BASEADA NO BLOQUEIO DE d5
4)Criação de um par de peões pendentes no centro e3/d4 (e6/d5)
Com o bispo em e3 ou e6, uma das ideias defensivas disponível é a troca do cavalo em d5 ou em d4 polo bispo, criando um par de peões central e4/d4 (e6/d5), o peão d4 ou d5, o mais avançado do par, pode ser atacado pelo avanço e6-e5 ou e3-e4. Mas para isto deve ter um suporte posicional de peças necessário, senão pode funcionar como um bumerangue.
Esta é uma daquelas partidas consideradas "imortal".  Karpov troca seu bom cavalo pelo bispo mau de Kasparov para ter um favorável meio-jogo com bispo de cores opostas. Neste meio-jogo, Karpov explora com sucesso a fraqueza dos peões pendentes central de Kasparov e o complexo de fraquezas de casas nas proximidades do roque preto.


Partida comentada pelo GM Ben Finegold em inglês.

Karpov analisando com Beliavsky e Tal, Bruxelas, 1988.

Kasparov contra Smyslov. Final de Candidatos. Vilnius, março de 1984. Kasparov ganhou o match que lhe deu o direito de enfrentar Anatoly Karpov pelo título mundial.