terça-feira, 15 de abril de 2014

DEFESA E CONTRA-ATAQUE (5)

MÉTODOS DEFENSIVOS
O defensor dispõe de um bom número de recursos ao seu favor, aqui iremos destacar as seguintes armas defensivas: 1) A superproteção; 2) As trocas de peças para forçar um final; 3) Eliminação da peça atacante mais forte; 4) Fortalezas ; 5) Recursos táticos para forçar um empate e 6) O Sacrifício.

1) A SUPERPROTEÇÃO
A superproteção ou sobredefesa está associada a teoria de profilaxia, termo cunhado por Nimzowitsch que considerava o novo conceito como o fundamento do jogo posicional. Nimzowitsch dizia que todo ponto estrategicamente importante deve ser reforçado com mais defensores que atacantes. As peças ao criarem uma superproteção, não somente fortalecem pontos estrategicamente importantes - tais como peões passados e peças bloqueadoras, mas ao mesmo tempo ocupam boas posições e assim se tornam mais valiosas.
No xadrez atual a prevenção de rupturas liberadoras de peões é o pão nosso de cada dia, todo jogador se esforça por restringir ou erradicar esse tipo de possibilidade, antes de seguir adiante com seus próprios planos.
O GM Everaldo Matsuura aborda o conceito de superproteção. Para ilustrar dará um exemplo de Nimzowitsch e um outro da sua própria experiência enxadrística. 


2) TROCAS DE PEÇAS PARA FORÇAR UM FINAL
A troca de peças é o método defensivo mais antigo no xadrez. Não devemos esquecer que a posição simplificada muitas vezes ajuda a defender ou salvar a situação.  Com menos peças sobre o tabuleiro e sobretudo com menos peões, se alivia a tarefa do defensor, porque se atenua a pressão em suas debilidades. Com uma troca forçada pode se erradicar, as vezes, todos os perigos da posição.
Petrosian usou contra Keres a troca de peças de ataque , a fim de facilitar a  tarefa defensiva. Uma ideia comum neste sentido é a troca das damas , que, se bem sucedido, tende a arruinar a maioria dos ataques .


3) ELIMINAÇÃO DA PEÇA ATACANTE MAIS FORTE.
Quando estiver sendo atacado, procure identificar a peça adversária que mais ameaça a sua posição e tente eliminá-la através de trocas ou sacrifício, dependendo da situação. Esse método defensivo é usado em muitas aberturas e defesas, por exemplo a Defesa Francesa em algumas variantes procura trocar o bispo mau de  c8 (casas brancas), pelo bispo bom de f1 das brancas, com isso elimina uma forte peça de ataque em potencial

O GM Jesus de la Villa comenta este método de defesa.