quarta-feira, 20 de outubro de 2010

MINHA ENTREVISTA AO BLOG XADREZ POTIGUAR


Xadrez Potiguar: Com que idade aprendeu a jogar xadrez, onde e com quem?
Carlos Henrique: 10 anos, em Mossoró/RN, com amigos de rua.
XP: Qual livro de xadrez mais gostou?
CH: Vou citar os quatro que mais gostei: Practica de Ajedrez Magistral, de Mikhail Tal; Ajedrez de Torneo, de David Bronstein; My 60 Most Memorable Games, de Bobby Fischer; Test of Time, de Kasparov.
XP: Com qual dos três aspectos do xadrez (Arte, Ciência e Esporte) você se identifica mais?
CH: Não separo o xadrez das três vertentes. Vibro com as belezas das combinações e com os planos de jogos que mostram o Xadrez Arte. Botvinnik foi muito feliz ao definir o Xadrez como sendo a lógica em forma de arte. Também gosto muito de estudar, procurar novas idéias e testá-las na prática. Tentando formar e aperfeiçoar algoritmos. Neste momento sei que o xadrez é Ciência. Finalmente quando participo de torneios, na emoção da luta, buscando controlar e superar os medos para adquirir a autoconfiança da vitória, eu sinto o xadrez como Esporte.
XP: Quais os principais eventos que tomou parte? De qual mais gostou e por quê?
CH: Foram muitos os eventos que já participei, todos deram-me grande prazer, mas, o principal foi o Torneio Aberto do Brasil, no grande Recife, mais precisamente, em Jaboatão dos Guararapes (Shopping Center Guararapes),onde consegui fazer grandes partidas, inclusive destaco uma memorável partida contra o Mestre Internacional austríaco Martin Neubauer que foi o Vice e eu fui o campeão. O título deste torneio levou-me a final do brasileiro em 2003.
XP: Quais as suas principais conquistas no xadrez?
CH: Título de Mestre Fide, Tetracampeão Potiguar Absoluto (1991, 1998, 2001 e 2002), Campeão Regional Nordeste (2002), Campeão Aberto do Brasil Joboatão (2003), Finalista do Brasileiro 2002 e 2003.
XP: O que mais te motiva a participar de eventos?
CH: Como dirigente da FNX, promover e desenvolver o xadrez no RN. Como jogador melhorar meu rating e tentar conquistar as normas de MI.
XP: Quais suas metas a curto e longo prazo no xadrez?
CH: A curto prazo realizar um diagnóstico do meu jogo e programar uma ação de melhoria, através de um treinamento de alto rendimento. A longo prazo a conquista do título de MI. Não só para mim, mas, também para os jogadores Norteriograndenses.
XP: Tem algum ídolo? Se tem Qual (is)?
CH: Bobby Fischer e Kasparov, dois símbolos de liberdade do xadrez.