sexta-feira, 1 de outubro de 2010

XADREZ ÀS CEGAS



Paul Morphy  em exibição
 Para desenvolver a excelência da arte da visualização do tabuleiro
A escola soviética de xadrez recomenda o jogo as cegas como desenvolvimento para a mente do jogador de xadrez, da capacidade de memória, de atenção, facilidade de cálculo e percepção espacial do tabuleiro. Porém evite-se os excessos, que cansam a mente e pode prejudicar a concentração no jogo.
Muitos mestres podem fazer cálculos de variantes e traçar planos de jogo de posições sem a necessidade do tabuleiro ou peças. Isto ajuda a familiarizar-se com mais posições sem forçar a vista.
Existe muita coisa que você não vê quando esta mirando o tabuleiro com as peças de olhos abertos, o contrário também é verdadeiro, existe muita coisa que se vê quando não se esta mirando o tabuleiro, apenas o contemplando de olhos fechados. Esta técnica  desenvolvida pelos treinadores soviéticos busca o máximo de domínio espacial do tabuleiro e é empregada hoje, por grande parte dos super grandes mestres da atualidade como: Shirov, Ivanchuk, Gelfand, Anand, Kasparov e outros. Sugiro para desenvolver esta técnica de domínio da visualização do tabuleiro,  realizar exercícios próprios, praticando toda semana.
Kasparov e Kramnik dois expoentes do xadrez às cegas
Tente fechar os olhos e notar o que vê. Fazer isto por cinco minutos e então abrir novamente os olhos e olhando na direção do tabuleiro, procurando ver algumas diferenças.
Acredito que se pode lucrar muito combinando estas duas formas de visão das posições no tabuleiro.