segunda-feira, 21 de julho de 2014

PEÃO DA DAMA ISOLADO (2)

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO PEÃO DA DAMA ISOLADO
Vimos anteriormente o quanto numerosos são os sistemas de aberturas que podem produzir um Peão da Dama Isolado(PDI). Sabemos também pela teoria clássica que um peão central isolado deve ser considerado uma debilidade ( já estudamos os confrontos das Escolas Clássicas com as Escolas Hipermodernas) e sobre isto a Escola Soviética, através do grande Botvinnik trouxe nova luz ao tema do Peão da Dama Isolado(PDI), compreendendo o valor dinâmico contido no Peão da Dama Isolado, tanto como suporte de uma peça menor em um posto avançado em e5 e c5, como por sua força expansiva (possível ruptura ou inclusive sacrifício para abrir linhas para as própias peças). Vejamos uma determinada posição surgida após os seguintes lances de abertura: 1.d4 d5 2.c4 e6 3.Cc3 Cf6 4.Cf3 c5 5.cxd5 Cd5 6.e3 Cc6 7.Bd3 cd4 8.ed4 Be7 9.0-0 0-0 10.Te1 Cf6 11.a3 b6(diagrama abaixo)
































Vamos tentar analisar a posição acima, mostrando através dos critérios posicionais e levando em conta a debilidade estática do peão Isolani em contraponto a sua força dinâmica. O material está igualado, pois a estrutura de peões não está equilibrada. As brancas têm depois da abertura, o característico  isolani ( termo cunhado por Nimzowitsch para definir o peão isolado em d4), uma mistura paradoxal de debilidade estática e força dinâmica. Por definição, o jogador com o isolani não tem mais seus peões de "c" e "e". Seu rival há trocado o seu peão de "d" por um deles e seu peão de "e" ou "c" pelo outro. O papel ambíguo do Isolani procede de uma série de elementos contrastado. Desde um certo ponto de vista, o peão isolado de "d" é um ponto estacionário e vulnerável, as casas em sua volta podem ser facilmente ocupadas pelo inimigo. Por outro lado, as brancas têm uma clara compensação posicional: uma maior mobilidade, superioridade espacial, maior influência central e casas avançadas em e5 e c5 para seus cavalos. Dada a estrutura de peões que figura no diagrama acima, podemos afirmar que os dois bandos devem fazer seu plano estratégico em torno das seguintes linhas:
PLANO PARA AS BRANCAS:
1) Ocupar a casa e5 com o cavalo e lançar um ataque na ala do rei ou operar na coluna "c", utilizando c5 para um cavalo;
2) Explorar todas as diagonais e colunas abertas disponíveis;
3) Proteger-se dos bloqueios limitativos;
4) Abrir a posição (especialmente em caso de vantagem de desenvolvimento) com um bem planejado avanço d4-d5 ou assegurar-se ao menos de que as peças pretas estão ocupadas em impedí-lo.
5) Fazer de tudo para manter as peças no tabuleiro e em especial os próprios cavalos;
6) Evitar em especial todas as trocas de peças que simplificam a posição num final sem vida, principalmente com um peão débil em d4.
PLANO PARA AS PRETAS:
1) Controlar e ocupar a importante casa d5;
2) Impedir o avanço e a liquidação do peão débil de d4 (fórmula de Nimzowitsch: Restringir, Bloquear, Destruir).
3) Manter as peças brancas na defesa do peão isolado d4;
4) Trocar peças para reduzir a força ofensiva  das brancas;
5) Buscar a simplificação e uma favorável transição para o final.


BOTVINNIK E AS NOVAS IDÉIAS DA ESCOLA SOVIÉTICA SOBRE O PDI
Botvinnik fez várias interpretações de sua autoria que aguçou ainda mais a nossa compreensão das oportunidades dinâmicas abertas para o jogador com o Peão da Dama Isolado, especialmente para o lado que possui o PDI. Ele desenvolveu muitas idéias novas e restritivas de ataque e, como nestes jogos, as possibilidades de transformação do peão isolado em finais vantajosos. 
No jogo de AVRO 1938, Botvinnik sutilmente supera o campeão do mundo Alekhine.



Partida acima entre Botvinnik contra Alekhine comentada em Inglês

Nesta partida de Botvinnik contra Vidmar é um exemplo das virtudes do PDI no meio jogo e uma condução clássica de ataque ao rei. 

























Partida acima entre Botvinnik contra Vidmar comentada em Inglês
A Escola Botvinnik 1986 na foto. Ele mostra Garry Kasparov e Mikhail Botvinnik (sendo entrevistado) na frente, e o jovem Boris Alterman sentado no meio da imagem da segunda linha de estudantes.