quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

A PROFILAXIA NO XADREZ

A ação que visa impedir que o adversário consiga algum contra-jogo e com isso prejudicar seus planos Nimzowitsch chamou no seu famoso livro My System de Profilaxia.
Profilaxia tem caráter posicional direto, mas pode ser usada como ajuste final antes de se iniciar um ataque.
Profilaxia não é sinônimo de passividade ou falta de agressividade, é uma tomada de decisão lógica e racional tomada num determinado momento. Colocar-se no lugar do nosso oponente não é tarefa fácil. É contra nossa própria natureza acreditar que podemos encontrar alguma reposta boa ou refutação para nossas idéias e projetos. Esta atitude também nos faz gastar mais energia. Eventualmente poderemos, de forma corajosa, honesta e deprimente, concluir que estamos indo na direção errada na partida. Daí precisaremos alterar radicalmente o caráter da luta. Veja o que o GM brasileiro Rafael Leitão disse sobre a profilaxia: - "Este é, na minha opinião, o tema posicional mais complexo e bonito. Seres humanos têm 
uma tendência natural ao egoísmo. O reflexo disso, no xadrez, é que muitos jogadores 
preocupam-se exclusivamente com sua posição, com seu plano, com seus recursos. Mas, 
leia esta novidade: seu adversário também joga, e acredite: ele quer vencê-lo! Profilaxia diz 
respeito a entender o plano do adversário, suas idéias, seus recursos, e combatê-los. Em 
muitos casos, nosso plano será evitar o plano do adversário! A complexidade deste tema é 
óbvia, pois muitas vezes você terá que entender como seu adversário está pensando. Dois 
dos jogadores mais brilhantes da história, Petrosian e Karpov, são considerados os 
melhores expositores de idéias profiláticas no xadrez".

Anatoly Karpov um dos maiores expoentes da profilaxia