domingo, 11 de maio de 2014

PEÕES DOBRADOS (4)

PRÓ E CONTRA DO PEÃO "c" DOBRADO
É muito comum um bispo capturar um  cavalo em c3 ou c6, dando xeque, forçando uma  retomada com o peão de b2 ou b7 e teremos uma posição de peões dobrados na coluna "c". Vamos ver agora quando isto é bom e quando é ruim. Para descobrir isso, devemos raciocinar sobre um pequeno quadrado, dentro do qual, incluiu os peões. Quase sempre as casas envolvidas são formadas por c2 - c3 - d2 e d3. Se este peão realmente dobrado (neste caso, o peão da dama) está dentro do quadrado, a posição dos peões é forte; não é uma desvantagem grande. (Por exemplo, c2 - c3 - d3). Quando um dos peões estiver fora do quadrado a posição é débil. E esta debilidade está exatamente na casa adiante do peão dobrado. Com os peões dentro do quadrado se vigia e impede que uma peça possa ser instalada lá. Se algum peão estiver fora do quadrado e um cavalo adversário se instalar na casa adiante do peão dobrado, então será difícil desalojá-lo, pois terá que trocá-lo por um bispo, o que não será um bom negócio. As vezes pode acontecer do peão está fora do quadrado(por exemplo c4), pois existe possibilidade de formar um quadrado mais acima (casas c3 - c4 - d3 e d4) e as posições dos peões continuarem fortes. É preciso saber que quanto mais adiantados os peões estiverem, mais difícil será montar o quadrado.




















Capablanca e Alekhine foram dois dos maiores jogadores da história do xadrez. Dois estilos diferentes, Capablanca mais técnico, Alekhine mais tático. Sempre havia um grande equilíbrio no duelo entre eles. Aqui vamos ver uma partida entre os dois em que o tema dos peões dobrados foi evidente.























Geller, Simagin e Smyslov

A WIM Alejandra Guerrero comenta esta bonita partida entre Simagin e Keres.