quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

O ESTUDO DO CENTRO (VII)

A LUTA CONTRA UM CENTRO CLÁSSICO DE PEÕES
Nimzowitsch escreveu em "Mi Sistema" que precisamente os peões são mais adequados para formar um centro, por serem mais estáveis, pois peças situadas no centro, também podem substituir os peões. A pressão exercida sobre o centro inimigo por torres ou bispos, pode ser de igual importância.
Ricardo Reti em seu clássico livro " Novas Idéias no Xadrez", afirmava que não era absolutamente necessário ocupar as casas centrais com peões desde o princípio, mas que bastava controlá-lo a distância por peças - em especial por bispos "fianchetto" o centro de peões ficaria vulnerável aos ataques e desabaria com facilidade.
Sobre a influência destas idéias surgiu uma maneira nova de tratar as aberturas. Se induzia o adversário a ocupar o centro com seus peões, para depois atacar esse centro pelos flancos com peças e peões antes que tivesse tempo de consolidá-lo. Esta nova estratégia é a pedra angular de aberturas como o Sistema Reti, a Defesa Grunfeld, as distintas defesas indias, a Defesa Alekhine e outras. A importância do centro se manteve, os métodos de luta para dominá-lo mudaram e se refinaram de modo considerável.
Ricardo Reti foi um grande investigador do xadrez, junto com Nimzowitsch são os maiores nomes da Escola Hipermoderna. Abaixo dois exemplos de Reti.


Fischer observando uma partida na Olimpíada de Leipzig 1960

Veja a partida comentada em Inglês.