segunda-feira, 14 de março de 2011

ESTUDO DOS CLÁSSICOS (3)

PAUL MORPHY - O MOZART DO XADREZ

Paul Morphy derrotou todos os seus desafiantes
numa carreira de apenas três anos

Os sucessos de Morphy baseavam-se em seu conhecimento das posições abertas e no fato de saber desenvolver as peças rapidamente nas clássicas aberturas do peão do Rei e tomar a iniciativa de maneira econômica, sem desperdiçar lances.
A vitória mais famosa de Morphy ocorreu durante o intervalo de uma ópera, contra dois dignitários jogando em consulta. trata-se da partida amistosa mais celebrada e instrutiva de todos os tempos.


Morphy,P - Duque Karl de Brunswick ,Conde Isouard [C41]

Paris, 1858


Esta partida famosa foi jogada no camarote do Duque de Brunswick, na Ópera de Paris, durante o intervalo da ópera "O Barbeiro de Sevilha", por Paul Morphy contra o Duque Karl de Brunswick e o Conde Isouard. Produziu-se uma das jóias do xadrez combinativo, um exemplo de arremate belíssimo finalizado com xeque-mate. Sem dúvida a defesa se fez debilmente, mas o método utilizado por Morphy para vencer é um verdadeiro exemplo clássico do uso de vários temas estratégicos e táticos combinados harmonicamente para ilustrar uma verdadeira "Obra Prima". Ela mostra os temas do desenvolvimento rápido, o aproveitamento de uma coluna, a cravada, o sacrifício de peças, o ataque ao rei no centro, a dupla ameaça, o mate combinado entre bispo e torre e outros.

1.e4 e5 2.Cf3 d6 este lance caracteriza a Defesa Philidor. 3.d4 Ag4? esta cravada é ilusória, uma verdadeira perda de tempo. O mais lógico seria 3....Cf6. 4.dxe5 Axf3 forçado pois se [4...dxe5 5.Dxd8+ Rxd8 6.Cxe5+- com vantagem decisiva; 4...Cd7 5.exd6 Axd6 6.Ae2 com vantagem de um peão e uma posição segura.] 5.Dxf3 [5.gxf3 dxe5 6.Dxd8+ Rxd8 7.f4+/- Maroczy. Mas Morphy não quis a simplificação com a troca das damas.] 5...dxe5 6.Ac4 Cf6? Evitando mate em f7, pois as pretas perdem desde já um peão. [melhor seria >=6...Df6 7.Db3 Ac5 8.0-0 Ab6 9.a4 a5 10.Cc3 Ce7 11.Ae3 Cd7 12.Tad1 com contra-ataque; 6...Dd7] 7.Db3! uma dupla ameaça aos pontos não protegidos b7 e f7 7...De7[] único, pois se [7...Dd7 8.Dxb7 Dc6 9.Ab5+-] 8.Cc3! as brancas poderiam ganhar o peão em b7, mas Morphy artista do tabuleiro, dá mais valor ao desenvolvimento do que o ganho ao ganho de um peão. [8.Dxb7 Db4+ 9.Dxb4 Axb4+ 10.Ad2+-; 8.Axf7+! Rd8 (8...Dxf7 9.Dxb7+-) 9.Dxb7 Db4+ 10.Dxb4 Axb4+ 11.c3 Ac5 12.Ag5 Cbd7 13.Cd2 Tf8 14.Ae6 h6 15.Axd7 hxg5 16.Ac6 Tb8 17.Cf3 Txb2? 18.0-0-0+ 1-0 Tenk - Egert, Brno 1930.] 8...c6 9.Ag5 a ideia desta cravada é paralisar uma importante peça defensiva do adversário. 9...b5?

Nesta posição as brancas têm a partida ganha pela mal colocação da dama preta em e7. Morphy acha a combinação decisiva e espetacular! Melhor era 9....Dc7. 10.Cxb5! com este movimento do texto as brancas começam uma combinação de mate exatamente calculada! Em tal cilada se produz uma completa transformação dos valores materiais. Os fatores dinâmicos têm a supremacia. [se 10.Ae2 Db4= com igualdade.] 10...cxb5 ainda era preferível [10...Db4+ 11.Dxb4 Axb4+ 12.c3 cxb5 com nítida vantagem para as brancas. A aceitação do sacrifício, porém levam as pretas a derrota rapidamente.] 11.Axb5+ Cbd7 [11...Rd8 12.0-0-0+] 12.0-0-0! dominando integralmente a coluna da dama. 12...Td8 única ante a grave ameaça de Ad7+ 13.Txd7 neste momento se produz o sacrifício de qualidade típico destas posições em que uma peça está cravada por um bispo e atacada também por uma torre e há outra torre de reserva, Destruindo uma importante peça de defesa. 13...Txd7 14.Td1 De6 propondo a troca de damas, aliviando, assim o ataque e a posição restringida de suas peças. Porém Morphy vê, no domínio absoluto da coluna da dama, um final magnífico! 15.Axd7+ [15.Dxe6+ fxe6 16.Axf6+-] 15...Cxd7 16.Db8+!! entrega a dama para desviar o cavalo da coluna aberta. 16...Cxb8 17.Td8#
xeque-mate! 1-0


Para Fischer, Morphy foi o mais prodigioso talento do xadrez


Schulten,J - Morphy,P [C31]

Nova York, 1857

[Kasparov,G]

1.e4 e5 2.f4 Esta é uma abertura antiga e romântica, que recebeu um belo nome, "O Gambito do Rei". Ela em geral define o jogo através de um rápido avanço das peças. A teoria moderna crê que a melhor defesa aqui é um contra-ataque, o que foi claramente demonstrado pelo talentoso jogador americano Paul Morphy. 2...d5! 3.exd5 e4! tomar quaisquer dos peões não seria bom, as pretas tentam ganhar tempo e desenvolver as suas peças colocando-as nas casas planejadas. 4.Cc3 Cf6 5.d3 Ab4 6.Ad2 [após 6.dxe4 Cxe4 7.Dd4 De7 8.Ae2 0-0 9.Ad2 Cxd2 10.Dxd2 Ag4 , seria fácil para as brancas ativarem suas peças. ] 6...e3!

Trata-se de um sacrifício de peão ousado e com vistas ao desenvolvimento futuro, já que a torre irá ocupar a coluna do rei após o roque. 7.Axe3 0-0 8.Ad2 Axc3 9.bxc3 Te8+ 10.Ae2 Ag4 11.c4? podemos dizer, com um grau de confiança razoável, que esta jogada é particularmente prejudicial às brancas. Seria preferível livrar-se da cravada na coluna do rei, de preferência com 11.Rf2. Mas as brancas desejam manter um peão a mais no centro. 11...c6! 12.dxc6?! ainda não era tarde para jogar 12.Rf2 ou h3. Ainda com uma vantagem material, as brancas permitem que o seu adversário desenvolva o cavalo da casa b8 com muita eficácia, e aí a vantagem das pretas se torna esmagadora, na parte mais importante do tabuleiro. 12...Cxc6

13.Rf1 [é difícil dar bons conselhos para as brancas 13.Ac3 Cd4 14.Axd4 Dxd4 15.g3 pode ser retrucado com 15...Txe2+ 16.Cxe2 Te8 , com um ataque decisivo. Parece que após 12.dxc6?! não há defesa para as brancas. ] 13...Txe2! 14.Cxe2 Cd4 toda a ação se passa na coluna do rei, onde a clavada vertical tem um papel decisivo. Pois de fato as ameaças colocadas sobre esta coluna forçaram as brancas a atrasar a retirada do seu rei da clavada. Agora segue-se uma nova pequena combinação, transformando a clavada vertical em uma ainda perigosa, diagonal. 15.Db1 Axe2+ 16.Rf2 Cg4+ 17.Rg1
O rei começa a correr para todos os lados sentindo a iminência do desastre. Eu recomendaria, a todos os que querem desenvolver as suas habilidades de ataque, a deixar este livro de lado por uns 20 ou 30 minutos e tentar achar sozinhos uma vitória rápida para as pretas, só então retornando ao livro e comparando a sua decisão com a que foi tomada por Paul Morphy.17...Cf3+ 18.gxf3 Dd4+ 19.Rg2 Df2+ 20.Rh3 Dxf3+ 21.Rh4 Ce3 22.Tg1 Cf5+ 23.Rg5 Dh5# 0-1


Paul Morphy um gênio muito além do seu tempo

Morphy,P - Anderssen,A [B01]
Match - Paris (7), 12.1958


1.e4 d5 2.exd5 Dxd5 3.Cc3 Da5 4.d4 e5 5.dxe5 Dxe5+ 6.Ae2 Ab4 7.Cf3 um lance típico do estilo Morphy - estando em vantagem, ele sacrifica um peão para apressar o desenvolvimento. 7...Axc3+ 8.bxc3 Dxc3+ 9.Ad2 Dc5 10.Tb1 Cc6 11.0-0 Cf6 12.Af4 esse lance recupera o peão mas permite simplificações. [>=12.Tb5 Dd6 13.Te1 0-0 14.Dc1 , mantendo a pressão, foi recomendado mais tarde, e corresponderia mais às expectativas de Morphy.] 12...0-0 13.Axc7 Cd4 14.Dxd4 Dxc7 15.Ad3 Diagrama

15...Ag4? este não pode ser considerado um lance sensato, já que o bispo tem de recuar vergonhosamente até c8, duas jogadas depois. [15...h6! (evitando o próximo lance das brancas) 16.Db4 b6 17.Tfe1 Ae6 teria resolvido a maioria dos problemas das pretas.] 16.Cg5! agora a situação das pretas é difícil, pois as brancas ameaçam C ou Bxh7 e também pressionam os dois peões do flanco da dama. 16...Tfd8 [se 16...Ah5 17.Ce4 Cg4 18.Cg3 b6 19.Tb5 ganham, enquanto a movimentação da outra torre para d8, uma posição natural, perderia um peão com Dxa7.] 17.Db4 Ac8 18.Tfe1 a5 [se 18...h6 19.Te7 Td7 20.Ah7+ , mas com o lance executado todos os peões pretos ficam extremamente débeis e se tornam fáceis presas para as torres ativas e as peças menores das brancas no final.] 19.De7 Dxe7 20.Txe7 Cd5 21.Axh7+ Rh8 22.Txf7 Cc3 23.Te1 Cxa2 24.Tf4 Diagrama
24...Ta6 25.Ad3 1-0