segunda-feira, 17 de setembro de 2012

COMO PENSAR NO XADREZ (VII)

O CÁLCULO DE VARIANTES
A ÁRVORE DE KOTOV

A força prática de um jogador de xadrez está prontamente dependente do processo de decisão. Este processo, por sua vez depende fortemente da habilidade de calcular variantes. Para ilustrar sua importância T. Petrosian disse antes do seu segundo match pelo título mundial contra Boris Spassky (Moscou 1969): “Nem a estratégia, nem as sutilezas incontáveis da abertura será mais importante. O destino do match será decidido principalmente pela capacidade no cálculo de variantes. Quero dizer, terá êxito o que se orientar melhor no – tu moves aqui e eu movo ali”.